Berlin Costelaria | Vitrine
Berlin Costelaria | Vitrine
Berlin Costelaria | Arames, grades e fosso dão cara de prisão à La Fortaleza, casa do Lanús

Arames, grades e fosso dão cara de prisão à La Fortaleza, casa do Lanús

Terça - 10/12/2013

O nome oficial é Néstor Díaz Pérez, mas os torcedores preferem chamar o estádio do Lanús de outra forma: "La Fortaleza". É esse o palco que na quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), receberá o confronto entre Lanús e Ponte Preta pela final da Copa Sul-Americana. O apelido não é por acaso. Mais do que um local acanhado, a casa do clube argentino é feita para amedrontar rivais. Dos arames expostos até o fosso que separa a torcida do campo, o Lanús deixa claro aos adversários quem é dono do espaço. A Macaca espera superar tudo isso para voltar ao Brasil com o título inédito. Do lado de fora, a aparência chega até a enganar. Com uma fachada moderna (sinal de uma recente reforma), a impressão que se tem é de algo novo. Mero engano. Basta entrar para entender que a Ponte Preta vai encontrar um clima totalmente contrário, de muita pressão, na busca pelo caneco da Copa Sul-Americana. A atmosfera pesada do estádio não para por aí. A casa do Lanús é acanhada e com arames farpados acima do alambrado. Lembrando os campos de refugiados, "La Fortaleza" pulsa junto com o time em campo. A torcida organizada costuma ficar atrás do gol localizado à esquerda das cabines de imprensa. O lugar dos campineiros está reservado: os quatro mil torcedores da Macaca ficarão do lado oposto, atrás do gol à direita das cabines.
- Na verdade, a torcida do Lanús é feita por um público tranquilo, que não briga com o rival. No máximo acontece um xingamento aos rivais, mas nunca agressão. Na verdade eles são corretos com os visitantes e com a gente também. Seguramente será uma festa dos dois lados e espero que possamos dar um bom espetáculo, porque vamos ser assistidos por muitos lugares. É um jogo de um argentino contra um brasileiro e isso não acontece todos os dias - disse o volante Diego González.
De frente para as arquibancadas centrais, fossos separam a torcida do gramado. Esses locais, aliás, apresentam o mínimo de higiene possível. Pelo menos a metade dos quatro metros de profundidade estão tomados por água parada (por conta da chuva) e muita sujeira (copos plásticos, garrafas, bitucas de cigarro e limbo). Uma aparência nojenta capaz de impedir que algum fanático se arrisque a invadir o campo. Construído em 1929, o estádio tem capacidade de 47 mil torcedores - 45 mil ingressos foram colocados à venda. E o local tem se mostrado um verdadeiro talismã do Lanús na Sul-Americana. Em quatro jogos do time no La Fortaleza, foram três vitórias e um empate. Pura coincidência? Não para quem já enfrentou o clima do estádio. A missão da Macaca não será das mais fáceis: no jogo de ida, os times ficaram no 1 a 1, no Pacaembu (gols de Goltz, para os argentinos, e Fellipe Bastos, para a equipe brasileira). Um novo empate leva a decisão para a prorrogação. Persistindo a igualdade nos 30 minutos adicionais, a final será nos pênaltis. Quem vencer leva o título.
Fonte: globoesporte

Horário

Segunda a sexta-feira a partir das 11h30
Sábado e domingo a partir das 12h00

Local

Rua Cuiabá, 57 - Jardim Paulistano Sorocaba - SP

Fone

(15) 3321-2940

Indique nosso site!